Notícia

Suposto escândalo sexual: áudio e prints alegados pelo vereador Paulão ainda não apareceram; procurador da Câmara e Polícia não se pronunciam

Uma comissão de vereadores esteve no Complexo Policial do bairro Sobradinho para conversar com o coordenador regional de Polícia, na quarta-feira
Suposto escândalo sexual: áudio e prints alegados pelo vereador Paulão ainda não apareceram; procurador da Câmara e Polícia não se pronunciam Suposto escândalo sexual: áudio e prints alegados pelo vereador Paulão ainda não apareceram; procurador da Câmara e Polícia não se pronunciam

Até a publicação desta matéria no Protagonista, na tarde dessa sexta (8), a Polícia Civil ainda não recebeu as alegadas provas do vereador Paulão para o suposto escândalo sexual, segundo ele montado por funcionários da Prefeitura de Feira, para prejudicá-lo. Nem o delegado e, muito menos a Procuradoria da Câmara, querem se pronunciar sobre o caso.
Quando usou a tribuna da Câmara Municipal para denunciar uma suposta armação para um escândalo sexual, o vereador Paulão afirmou que as provas eram prints de conversas entre os acusados e um áudio onde um funcionário da Prefeitura "orientava" uma mulher como provocar o tumulto.
"Uma mulher seria contratada para ser testemunha de uma tentativa de escândalo sexual no meu escritório, tudo armado pelos dois funcionários, cargos de confiança na Prefeitura, financiado pelo prefeito" , acusa Paulão.
Indagado pelo Protagonista sobre as alegadas provas, Paulão afirma que existem e estão em posse de algumas pessoas de confiança e também do procurador da Câmara, André Novais.
O Protagonista tentou contato com o procurador André Novais. Após várias tentativas, o advogado disse, apenas, que nada tinha a declarar sobre o áudio alegado pelo vereador.
Já o delegado Roberto Leal, desde a quarta-feira diz que não falará sobre o caso. Ele recebeu a visita de uma comissão de vereadores no Complexo Policial do Sobradinho para, supostamente, oficializar uma queixa contra os funcionários e o prefeito. Nem isso é informado se aconteceu.
O fato é que, até agora, o áudio não apareceu. Muito menos os prints, embora o vereador tenha afirmado ao Protagonista que existem e, no momento oportuno, serão entregues à Polícia e divulgados na imprensa. "Eu não seria louco de fazer uma denúncia dessa sem ter as provas", pondera Paulão.
De fato a denúncia é grave. Como grave também é acusar sem provas. O Protagonista vai acompanhar o caso. Até o final.

Comentários (0)

Leia mais

Publicidades